Notícias

Memórias de amor e serviço

Memórias de amor e serviço

Um espaço lúdico e singular, que por meio de fotografias, objetos e textos leva ao visitante uma das mais ricas e belas histórias de amor e serviço às gerações de ontem, de hoje e do amanhã. Assim é a Sala de Memória Governador Lomanto Júnior, inaugurada na última terça-feira (dia 14), no Centro Educacional Santo Antônio (CESA), núcleo de educação das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), em Simões Filho. O novo ambiente, iniciativa que integra as comemorações pelas cinco décadas de existência do CESA e pelo centenário da Bem-Aventurada, traz em vivas cores a trajetória de um solo sagrado, que brotou das mãos de Irmã Dulce nascendo como um orfanato para crianças sem referência familiar e que hoje se eterniza como uma referência em educação integral para 700 crianças e adolescentes em situação de risco social. Reunindo profissionais e religiosos da OSID, além de professores e alunos do centro, a inauguração da sala contou ainda com a participação de membros da família do ex-governador da Bahia, Lomanto Júnior, que doou ao Anjo Bom, há 50 anos, o terreno onde hoje funciona a escola.

“Se não fosse Dr. Lomanto, não estaríamos conhecendo essa história que está aqui hoje retratada. Esta homenagem representa nossa gratidão a ele”, afirmou durante o evento a superintendente da OSID, Maria Rita Pontes. Bastante emocionado, Leur Lomanto, filho do homenageado, declarou que é motivo de orgulho para toda a família ver que o gesto de seu pai foi o início de um projeto grandioso como o centro educacional das Obras. “Meu pai teve uma grande visão ao doar, há cinco décadas, um terreno para Irmã Dulce, que fez toda a instituição prosperar, com tantos serviços prestados. A nossa satisfação também foi enorme ao saber que o espaço se transformou em uma escola de referência, pois um país que deseja ser desenvolvido tem que investir em educação”.

A líder do CESA, Flávia Rosemberg, destacou a importância do novo espaço como um instrumento também de difusão da trajetória do Anjo Bom e do seu centro educacional. “A Sala de Memória é muito significativa para o CESA. Aqui está registrado o legado que Irmã Dulce nos deixou e que está presente em todas as ações da escola”, ressaltou. “Esperamos que a Sala de Memória seja bem aproveitada pelas crianças, que seja um espaço onde elas possam aprender e refletir”, salientou o assessor de Memória e Cultura da OSID, Osvaldo Gouveia.

A Sala de Memória, cuja inauguração foi encerrada com um especial momento de bênção realizado pelo frei Fernandes, foi idealizada pela equipe da Assessoria de Memória e Cultura da OSID, tendo à frente as museólogas Carla Silva e Marcela Avendano. O novo espaço contou também com o apoio do Shopping Barra, que doou os painéis e o mobiliário que compõem o ambiente.

Registros - Nos painéis da Sala de Memória, o público pode conferir fotos e textos que revelam a história do centro educacional, desde a década de 60, quando ainda era um orfanato fundado pela freira baiana, até os dias atuais, incluindo o projeto de sustentabilidade (Centro de Panificação) do CESA e o projeto educacional que beneficia hoje 700 crianças e adolescentes em situação de risco social. Há também troféus e documentos, além de objetos produzidos pelos alunos nas oficinas pedagógicas, à base de cerâmica, tecelagem, papel machê e materiais recicláveis. Todas as peças são relacionadas ao universo de Irmã Dulce com o núcleo, a exemplo da imagem de Santo Antônio e instrumentos musicais, que ela costumava tocar para as crianças.

Os sorrisos e os olhares de curiosidade eram uma mostra do interesse e alegria dos alunos ao conhecerem o espaço. “Está tudo muito bonito. O que mais gostei de saber foi do carinho com que Irmã Dulce cuidou das crianças pobres”, disse Camila Miranda, 9 anos. “Fiquei emocionado com a lição que Irmã Dulce nos deixou de cuidar e amar a todos”, contou Vinícius Almeida, 9 anos. Antes da cerimônia, os estudantes participaram de jogos educativos com temas ligados ao legado da freira, como gestos de solidariedade, que estimulam o conhecimento e aprendizado de valores de forma lúdica e reflexiva.

“Além da prazerosa experiência que a Sala de Memória proporciona a quem a visita, contando a história de luta e entrega de Irmã Dulce em favor dos seus ‘Capitães da Areia’, também nos fortalece através da reflexão, inspiração e força para os próximos 50 anos”, comentou o gestor Operacional da OSID, Sérgio Lopes.