Notícias

Missa solene encerra neste domingo programação do centenário de nascimento de Irmã Dulce

Missa solene encerra neste domingo programação do centenário de nascimento de Irmã Dulce

Uma missa solene na capital baiana, celebrada pelo arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, marcará o encerramento das comemorações pelos 100 anos de nascimento de Irmã Dulce, no próximo domingo (17), às 17h, no Santuário da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres (Largo de Roma). A celebração reunirá milhares de fiéis e admiradores da vida e obra da beata, além de contar com a presença de autoridades e religiosos e também de funcionários, pacientes, moradores, alunos e voluntários das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID).

A agenda festiva trará ainda um dia inteiro de homenagens ao Anjo Bom do Brasil, começando com a missa dominical da manhã, às 8h30, celebrada por frei Vandeí Santana, reitor do santuário, seguida da exposição da relíquia de Irmã Dulce, às 10h. A programação do domingo terá também a exposição e bênção do Santíssimo, às 14h, sempre no santuário da religiosa baiana. “Ao celebrarmos o centenário da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres estamos fazendo homenagens em memória da freira, que não só a traz e a faz estar sempre presente, mas nos torna, também, participantes daquilo que ela fez”, destaca frei Vandeí Santana.

Mãe dos Pobres – Segunda filha do dentista Augusto Lopes Pontes e de Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes, Irmã Dulce recebeu o nome de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes ao nascer, em 26 de maio de 1914, em Salvador. A vocação para trabalhar em benefício da população carente teve a influência direta da família, uma herança do pai que ela levou adiante, com o apoio decisivo da irmã, Dulcinha. Aos 13 anos, graças a seu destemor e senso de justiça, traços marcantes revelados quando ainda era muito novinha, a então adolescente passou a acolher mendigos e doentes em sua casa, transformando a residência da família em um centro de atendimento.

Em 1933, logo após a sua formatura como professora, Maria Rita ingressa na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, na cidade de São Cristóvão, em Sergipe. Em 13 de agosto do mesmo ano, recebe o hábito de freira e adota, em homenagem a sua mãe, o nome de Irmã Dulce.

Em 1949, em Salvador, a religiosa ocupa um galinheiro ao lado do Convento Santo Antônio, após autorização da sua superiora, com os primeiros 70 doentes. A iniciativa deu origem à tradição propagada há décadas pelo povo baiano de que a freira construiu o maior hospital da Bahia a partir de um simples galinheiro. Já em 1959, é instalada oficialmente a Associação Obras Sociais Irmã Dulce. Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, pouco tempo antes de completar 78 anos. Beatificada em 2011, a religiosa baiana está atualmente em processo de canonização, sendo necessária a comprovação de um novo milagre para que ela se torne santa.

Programação

Data: 17 de maio de 2015

Local: Santuário da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres (Largo de Roma)

08h30 Missa dominical, com frei Vandeí Santana, reitor do Santuário da Bem-Aventurada

10h Exposição da relíquia de Irmã Dulce

14h Exposição e bênção do Santíssimo

17h Missa solene, com Dom Murilo Krieger, arcebispo de Salvador e primaz do Brasil